Guilherme Marques – Bateria/Percussão

Guilherme Marques é músico profissional com graduação e mestrado em música popular pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Atua há mais de vinte anos nas áreas de música popular brasileira, música instrumental brasileira, música improvisada, jazz, trilha sonora, atuando como baterista, percussionista e compositor. Obteve destaque tocando com alguns grupos ligados à cena de música instrumental paulistana: À Deriva (www.musicaaderiva.com.br), grupo de música instrumental contemporânea, lançou seis CDs no mercado: “À Deriva” (2006); “À Deriva II” (2008); “Suíte do Náufrago” (2010), “Móbile” (2013), “O muro: rever o rumo” (2016) e “De senhores, baronesas, botos, urubus, cabritos e ovelhas” (2013) em parceria com o violonista e compositor gaúcho Cau Karam; o grupo Comboio, big band atuante na cena paulistana entre 2002 e 2016, cuja trajetória conta com três CDs lançados no mercado: “Sarado” (2002), “Comboio” (2005), e “Narrativas de Sobrevivência” (2011).

Tocou e gravou com o quarteto instrumental KVAR (www.kvar.mus.br) que lançou o disco “Kvar” (2015). Toca no grupo Música de Selvagem (www.musicadeselvagem.com), dedicado ao estudo e performance de repertório autoral com foco na improvisação livre, registrado nos discos “Música de Selvagem” (2016) e Vol. Único (2018). Trabalha regularmente – tocando e compondo – com a companhia de teatro Les Commediens Tropicales (www.cialct.com.br) com a qual atua nos processos criativos dos espetáculos “Unívocos” (2014), “Guerra Sem Batalha” (2015), “Mauser de Garagem” (2016), “Baal Material” (2016) e “Medusa Concreta” (2018), além da performance “(verter)à deriva” que alcança mais 100 apresentações no Brasil e no exterior. Colabora regularmente nos trabalhos criativos da iNSAiO Cia. de Arte (www.insaiociadearte.com.br), companhia dedicada à dança contemporânea, atuando como músico intérprete e compositor. Nesta companhia participou dos processos criativos dos trabalhos “Abissal” (2016/2017) compondo, tocando bateria e live eletronics; e no espetáculo “Ato Infinito” (2018/2019) compondo e operando trilha ao vivo. Trabalhou com a Cia. Estrela D’Alva com a qual trabalhou no espetáculo “Ulisses À Deriva” (2015/2016) e a Cia. Auto Retrato com a qual trabalhou no espetáculo “Origem Destino” (2012/2013).

Como instrumentista independente já tocou e gravou em inúmeras situações e trabalhos distintos do jazz ao rock; do samba ao pop; passando pela música judaica, os diversos gêneros populares brasileiros, além das experiências em gravações comerciais. Dentre os inúmeros trabalhos e artistas com quem tocou destaca-se: Alexandre Prade e projeto Ek-Stasis, Marcelo Coelho e o projeto Compondo na Rua, a cantora Blubell com quem gravou o disco Eu sou do tempo em que a gente se telefonava, além de intérpretes e instrumentistas como Celio Barros, Fernando Corrêa, Michel Leme, Oren Neiman (USA), Alan Plachta (Arg.), Edu Visconti, Vicente Falek, Hercules Gomes, Emílio Mendonça, Ana Archetti (Arg.), Alon Nechushtan (Israel), Nils Van Heertum (Bélgica), Neshama Carlebach (USA), Helcio Muller, Marcos Paiva, Frank London (USA), David Richards, Josué dos Santos, Vitor Alcântara, Rogerio Botter Maio Grupo, Rafael dos Santos, Nicole Borger, Isra Alien Duo (EUA), Vicente Falek, Banda Urbana, Banda Arruda Brasil, Camilo Carrara, Banda Klezmer Br., entre outros.

https://www.youtube.com/user/gmdmarques

musicaaderiva.com.br | kvar.mus.br | musicadeselvagem.com | cialct.com.br | insaiociadearte.com.br

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + cinco =